Taiyou no Uta – filme

taiyou-no-uta-j-filme-japones

Esse filme te indico…(pelo mesmo motivo do dorama Taiyou no Uta…) para aprender a valorizar cada dia… cada momento ao lado de quem amamos.

"彼女は タイヨウに 帰っていった。僕の 心に、歌をのこして。"

“Ela voltou para o Sol. Deixando a música no meu coração.”

O filme TAIYOU NO UTA (2006) foi lançado antes do dorama, que leva o mesmo título. Assim como o dorama, o filme conta a estória de Amane Kaoru (nessa versão, interpretada pela cantora YUI), uma jovem que ama a música e busca nela a força para enfrentar uma doença incurável: o XP (Xeroderma Pigmentoso). Por não poder sair em pleno dia, Kaoru sempre observou o mundo pela janela do seu quarto. E foi assim que começou a admirar Fujishiro Koji (Tsukamoto Takashi), que apesar de ser um adolescente bobo, mostrava-se sempre cheio de vida. Quando surge a oportunidade, os dois acabam se conhecendo e iniciando um romance. Koji apaixona-se por Kaoru e pela sua voz…. coisas pelas quais o faz ter objetivos de vida.

A estória principal é a mesma que a do dorama, mas alguns detalhes…alguns acontecimentos apresentam-se bem diferentes. O ritmo do filme é mais lento, mas é tão comovente quanto a versão mais longa. Adorei ver Tsukamoto atuando! Lindo…e sua cena final  faz qualquer um sentir um aperto no coração. A protagonista YUI arrasa como cantora, mas como atriz… não foi muito convincente [:( ]. A dupla Yamada-Sawajiri do dorama sai um pouco à frente no quesito “casal romântico”, na minha opinião.

Dessa vez, as músicas do filme ficam por conta da protagonista YUI, com as lindas canções Goodbye Days, Skyline e It’s Happy Line

No site oficial há muitas coisas interessantes disponíveis. Na barra de menu, quarto item, é possível assistir ao trailer. Clicando no quinto item da barra, pode-se ouvir alguns trechos do filme, sendo animado por algumas fotos. A visita vale a pena!!

A doença da protagonista de Taiyou no Uta, o XP, realmente existe. É uma doença rara, com frequência de um caso a cada 200 mil indivíduos, segundo o Centro de Estudos do Genoma Humano.Os pacientes XP têm grande sensibilidade aos raios solares e, se expostos ao sol, podem adquirir lesões e evoluir para um caso de câncer. A evolução da doença pode, também, levar a problemas neurológicos e afetar os movimentos. Tudo isso é muito bem retratado no dorama e no filme, onde é possível ter uma mínima ideia de como uma pessoa tem um estilo de vida completamente diferente, como é difícil para quem tem a doença (no caso, a Kaoru) e para quem vive ao seu redor.

E tudo isso nos faz valorizar ainda mais a nossa grande felicidade de poder ter o brilho do Sol, e poder dividi-lo com as outras pessoas. Um dia de cada vez….com muito tempo pela frente.

Assista aqui. E não esqueça de fazer o seu Sol brilhar…!

 

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000982311381 Rose Hashinaga D’Arce

    Eu assisti o filme recentemente, depois da resposta de vocês a um comentário sobre outro drama. Chorei horrores, como era de se esperar …. mas muito bonito o filme também. Valeu a pena a indicação, e reforço esta indicação de vocês, tanto para o filme, quanto para o drama … eu acho que gostei mais do drama, mas é que eu gosto de chorar … e como o filme é mais compacto, são menos lágrimas.
    Mas ambos são muito bonitos!!!!

    beijos
    Rose

    • http://essedoramateindico.wordpress.com essedoramateindico

      Olá, Rose! A atriz Sawajiri Erika só nos faz chorar, hein! rs… com “Ichi ritoru no namida”…agora com “Taiyou no Uta”!! Nossaaa!! rsrs… Meu voto vai para o dorama tbm! Mas vale a pena assistir o filme… adorei as canções da Yui! 😉

      Obrigada por estar sempre conosco!
      Bjão!